SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 16 de Agosto de 2014

Comungantes







Confusão primitiva da origem do Ser!...
Babel de sentimentos,
Risos,
Troças,
Amores,
Ódios ou pudores.

Muito do passado
Que nos foi tão puro,
Na amálgama
Da nossa identidade,
Se perdeu.

Ao buscarmos na mente
O valor imenso
De tanta pureza,
Sentimos,
Da gentalha,
Esgares pungentes
De metralha;
Dedos apontados,
Acusadores,
Insensíveis,
Iguais a outros mais,
Alcandorados na ciência do saber...

...Retraídos,
Ficamos com a verdade plena,
Mas sem coragem de dizer
Que a Alma é inocência
Bem cheia de Amor.

Oh, se acordássemos
De tanta letargia,
Saberíamos ficar transparentes,
Invisíveis amantes,
Crianças na simplicidade.

Seríamos
Nós mesmos,
Os presentes
Da festa e da alegria,
A taça do Amor,
Os comungantes
Em tão feliz realidade.

 


SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 9 de Agosto de 2014

Açucenas





 


Leva contigo uma paz serena
E a lembrança do que cá ficou.
Leva contigo minh'Alma, sem pena
Do tempo comum que já nos passou.

Leva mais, Amor, mais uma centena...
Uma flor, na boca, desabrochou
Por cada beijo; e a Alma serena,
Feliz ou triste, logo sossegou.

Foi, homenagem, como despedida
Antes de voar, antes da partida
Para a lonjura de uns dias, apenas.

Se eu voasse com a companhia
De ti, jamais na vida saberia
Se os teus beijos eram açucenas.



SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,

sábado, 2 de Agosto de 2014

Falando sozinho





 

Porque falas comigo?
Eu, não sou nada!
Vê o pó
Que em mim repousa,
As teias que me atam,
A negrura dentro do meu rosto...

Descubro algo
No diálogo que há em nós:
Eu, o nada que te escuta
Com o Coração,
Sentindo viver um sonho,
Onde és, Divinamente, grande!...

Escuto-te com Amor,
Com ardor,
Com pureza...
Mas, no meu pensamento,
Sinto-me pulsar
Abrindo o caminho
Que devo trilhar.

De repente,
Acordo com a tua simplicidade.
Então me descubro 
Falando sozinho,
A ouvir o supremo Amor.



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 26 de Julho de 2014

Gosto de ti






Porque gosto de ti?
Por seres quem eu não sou?
Essa identidade de ti,
Quase o meu eu
Que não morreu,
Quer ser o que ficou.

És o meu egoísmo,
Minha ira,
Minha maldade,
Na minha podridão.

...Mas eu gosto de ti,
Porque sou humanidade
E a vivo no coração.



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 19 de Julho de 2014

Num lugar ausente




 


No turbilhão dos pensamentos,
Recordo
Uma noite de poesia,
A primeira...

Estremeci,
Pela identidade e comunhão.
Mas,
Terá sido sonho ou ilusão
Que despertou
E tão intensamente
Me deixou "ver"
O sentir que a Alma sente?

No redobrar dos pensamentos,
Recordo
Os longos momentos,
Que estive presente
Num lugar ausente.



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 12 de Julho de 2014

Até um dia...







Hermínia, montanha amada,
Teus olhos são as lagoas
Que espelham as coisas boas
Que tens, na Alma, guardada.

E por tão nobre grandeza
Que eu não sinto merecer,
Me decido, com certeza,
Não mais te voltar a ver.

Foi na Cancela da Quinta,
Em noite de romaria,
Que a minha Alma, faminta,

A si mesma se faria
Selar o Amor, que lá sinta,
Guardando-o, até um dia...


 

SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,

sábado, 5 de Julho de 2014

Luzir de estrelas







Olho o horizonte e sinto o renascer,
Desde as folhas mortas, do sol decadente,
Uma estranha luz, na minha Alma ausente,
Eu desejo tanto, ver aparecer...

E, mais confiante, ao entardecer
Onde o Céu é rubro pelo sol poente,
Busco no meu peito Amor inocente...
E o fogo, nas faces, faz-me enrubescer.

Logo, grito alto para ser ouvido
Pelo imenso Céu, que é já escurecido.
Despertei? Decerto. Ou foi minha ilusão?...

Enche-me a Alma o luzir de estrelas,
Que foram, por demais, as joias mais belas 
E a ânsia mais viva do meu coração.



 


SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,