SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 19 de maio de 2018

Vazio de Amor




Regresso, da lonjura,
Por um espaço verde
De esperança,
Que se esvai no tempo
Da saudade
E viver essa lembrança.

Me arrepia a Alma,
Como se escutasse
Gritos aflitivos de criança...

Na verdade,
Fico tresloucado.

Se amasse,
Não regressava vazio de Amor,
Dum Amor que cá ficasse.


SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 12 de maio de 2018

Alegria acabada




Sou um homem só e triste.
O mais triste e o mais só,
Dos que vivem sobre a Terra.

... Apenas só!

Não desejo compaixão
Por tanto sofrimento,
Tristeza dorida,
Imensa solidão nesta vida...

Nada, mesmo nada,
De tudo quanto existe
Fechado no coração,
Num cofre de aço frio,
Faz sentir a compaixão,
Por ter olhos sorrindo,
Em cenários de tristeza
Que se escondem noutros mundos...
É um triste desafio!

Nada.
Não quero nada!

Não terei a companhia
Que deixe mais alegrias
Na alegria acabada
Pelos tempos
Do final dos dias...


SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 5 de maio de 2018

Despido...





Escuto os sons
Que emanam da tua voz,
Mas não consigo abarcá-los
pela escuridão do dia.

Na outra noite,
Senti-me retraído
Porque tudo era igual e sem sentido.

...Sem que me afoite,
Desejei amar ou repelir-te,
Porque existe um grande Amor.

Sim! Quis sentir-te,
Mas sinto-me despido...



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 28 de abril de 2018

Ser ausente





Feliz, extravasei o meu apreço
Por tanto receber sem ter direito.
Eu sou um sonhador, tolo confesso,
Que voga sobre núvens e despeito.

E me sobra alegria, porque esqueço
A humana condição de que sou feito.
Há tanto, ao meu redor, que não mereço!...
Viver, o que é injusto, não aceito.

Não posso encobrir que tanto existe,
Teimando mergulhar a alma triste
No lenitivo, esconso, que acalente

Os sonhos bons, tomados de fugida.
São, tudo, coisas duras duma vida
Que me moldaram como um Ser ausente.


SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,

sábado, 21 de abril de 2018

Preceitos




Quis segurar a Vida com a mão
E ela me fugiu por entre os dedos;
Caiu, como areia, para o chão,
Rolando para as fendas dos rochedos.

Ficou desiludido o coração
E aterrado, até, por tantos medos,
Porque há momentos de muita paixão
Perdidos neste mundo de segredos.

Me sinto bem pequeno, de Alma erguida,
Irreverente (até) nos meus conceitos,
Tremendo, de pavor, a cada hora.

Já tive força ingente e tive Vida,
Mas tudo já perdi nos meus preceitos
Porque a minha Alma já não ri nem chora.



 

SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,