SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 18 de março de 2017

Contentamentos




Sentir o Amor transbordar

Do peito deleitado em pensamentos;
Sentir vontade de chorar
E conter lágrimas
Que expõe sentimentos;
Aflorar, nos lábios, alegria
E guardar a tristeza de ser só;
Esperar o renascer dum novo dia,
Na esperança de saber que ainda há dó.

O Mundo cruel e vil que nos rodeia
Inveja o Amor terno e seguro.

Por se expandir,
A coragem de gritar aos ventos
E a distância que nos separa,
Não existe!
Mas, sentir na Alma
O que não seja apenas doação
Se evola por doces pensamentos.

Sentir,
Sentir o porvir
Do dia que há-de vir,
Trar-nos-á contentamentos.



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 11 de março de 2017

Nome de Amor




Era só verdade que havia
Em quem te queria falar,
Quando tudo te caía
Sem o poderes segurar.
Ali mesmo, junto a ti,
Quase num só respirar,
Estava preso de Amores,
Sem forças para o mostrar.

A vontade de calar,
Foi forte, como o aço,
Deixou-me tonto, um pedaço,
Ao receber teu olhar.
Indeciso e nervoso
Sentindo próximo o rosto
Que eu queria beijar.

...E um som melodioso
Inundava a minha Alma;
Bem no fundo do meu peito
A tua voz, sempre calma,
Ecoava pelo ar...

Ai, Amor, quanto de amor
Eu posso sentir por ti!
...Só não sei como medi-lo,
Não encontro a dimensão.
Antes prefiro senti-lo
Tocando a tua mão,
Numa carícia de fogo;
A tua pele o transmite...

Medi-lo,
É dispersão
De quem queria dizer-te
Coisas mil
E oferecer-te
O que é, enfim, maior,
Que cabe num coração
E toma o nome de Amor.


SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 4 de março de 2017

Sedução




Suave é o som da música
Que conforta a Alma e o sentimento,
Deixando a magia acontecer;
Conduz a Alma, pára os silêncios
Lavando o sonho no Amor singelo.

Assim, a angústia terminou.
Morreu para o viver e ser-se eterno,
Fechou-se numa página deste Inverno
E seguiu, na tempestade que passou.

E agora que a bonança trouxe a paz,
Aconteceu a esperança num desejo:
Ser mais duradoura e mais real,
No rosto do Amor terno, imortal,
Que foi selado, um dia, com um beijo
E nunca, a Alma viva, satisfaz.

Amar, é ter a força do destino,
Sentir que há o outro, de outro lado,
Saber-se ser um só, bem separado.
Amar, é tornar dois apenas num,
Sentir o corpo, em si, associado;
E a Alma, pela sua dimensão,
Abarca o que quer o coração.

Amar ao som da música,
Olhos nos olhos, mão na mão,
É voz do silêncio e da paixão
Na mais linda e doce sedução!


SOL da Esteva


Etiquetas: , ,

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Tempo sem limite de tempo




O tempo é limitado para amar.

O pouco que há,
Não vai sobrar,
Mas terá que chegar ao sentimento.
Haverá um dia
Glorioso e belo,
Onde ele se banhará no pensamento,
Num ansiar de mais amor
E desejar tê-lo maior.

É limitado, o tempo,
Para manifestações de carinho;
É argumento,
É calor,
É carência de alento,
No tempo de estar sozinho,
Amando
E estar acompanhado,
Apenas sonhando.

Tempo sem limite de tempo
É dádiva de cada um.
Amor devoto e belo
Como o nosso,
Não haverá mais algum!



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Mar imenso




Mar sinistro,
No horror da escuridão
Húmida, confusa,
Aonde os pensamentos vão.

Mar traiçoeiro,
Eu te adorei noutra noite
Sem nevoeiro;
Foste diverso de agora.

Na tristeza, a Alma chora.

Mar ululante,
Num instante
Galgas os muros limite,
Do rochedo da felicidade.
Te acuso se maldade
E me recuso
Que noutras horas te fite
Sentindo saudade
Do tempo que passou.

Mar sinistro,
Lençol de espuma,
Mortalha que foi felicidade.
Mar do horror,
Quem te sonhou por ter sentido Amor?

O desespero
E a solidão de outrora, chegou,
Tomou posse de mim,
Secou lágrimas de dor,
Endureceu o coração,
Esmagou os sentidos, a paixão...
E o que foi Amor, gelou!


...Nem tu nem eu, soubemos
Conservar o delírio de amar!
Nada restou.
Mas se um dia
Voltar a acender-se outra fogueira
E o calor, dela se evolar,
Há-de trazer, de volta ao mar,
O que no fundo da Alma ficou.

Os receios
Serão iguais aos de sempre,
Mar imenso,
Vasta imensidão,
Encanto infinito,
Ou nova frustração.

Deixa lá, mar horroroso,
Deleitar-me-ás um dia,
Do tempo que há-de vir.
Serei terno e amoroso
Até, no tempo, eu partir.


 

SOL da Esteva

Etiquetas: , ,