SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 19 de novembro de 2016

Não sei nada




Ao ser pré concebido,
O tempo, a hora, o momento,
Onde te fechas na concha perolada,
Não tem sentido!
Não tem nada.

Sentes confusão,
Vontade de amar,
De fugir,
Chorar
E teres um coração unido
Num abraço perpetuado,
Sem sombras do passado
Esquecido...

Quem me dera fosses tu
Na identidade de ser;
Quem dera que ao beijar-me
Houvesses de me esquecer.

No encontro perfeito,
Em pensamentos, me deleito
Por saber que ter Amor é ser maior.

Porém, surges compassada
E eu, sozinho, no meu jeito,
Estou seguro, que não sei nada.


SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

7 Comentários:

Blogger Olinda Melo disse...

Talvez. Esquecer tudo e começar de novo, sem mágoas, sem ideias feitas, tendo no horizonte um dia cheio de Sol e carregado de azul.

Belo Poema, caro Sol.

Abraço

Olinda

19 de novembro de 2016 às 09:18  
Anonymous Rosa Mattos disse...

Às vezes, nem mesmo no reduto seguro de nossos pensamentos, onde estamos no domínio, nos sentimos seguros e cheios de certezas.

19 de novembro de 2016 às 16:24  
Blogger Célia Rangel disse...

Desconhecer sentimentos, muitas vezes nos acalma e aquece o coração. Jamais estaremos seguros no amor, pois ele percorre uma estrada com muita diversidade de direções a serem seguidas. É independente!
Abraço

19 de novembro de 2016 às 19:13  
Blogger António Manuel - Tómanel disse...

Interessante!
Relato de circunstancias de quem deseja ser amado e ao mesmo tempo esquecido.
Um abraço cá do Algarve.

19 de novembro de 2016 às 19:32  
Blogger Majo Dutra disse...

A paixão é mutável e temos de nos adaptar e reinventá-la, importante é não perecer.
O lirismo do poema está muito belo.
Dias amorosos e felizes.
Abraço, Sol amigo.
~~~~~~~~~~~~~~

19 de novembro de 2016 às 22:59  
Blogger lua singular disse...

Oi Sol
São tantos sentimentos que englobam o amor que fica difícil definir o que é realmente o amor. Talvez uma junção de vários sentimentos.
Beijos
Lua Singular

21 de novembro de 2016 às 22:09  
Blogger Jaime Portela disse...

Pouco ou nada sabemos, por vezes...
Excelente poema, gostei imenso.
Bom fim de semana, caro amigo Sol.
Abraço.

24 de novembro de 2016 às 18:17  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial