SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 20 de setembro de 2014

Sinto eu!...






Flamejou,
Do teu olhar indiferente e vago,
Um lampejo de ardor
Na verdade infinita,
Na paz interior,
Em todo o sofrimento,
Esconso, no teu arfar,
O anseio de saciar
O teu corpo sedutor.

A ti,
Que em mim afago mansamente,
Oferto o meu pensamento,
A ternura de mim,
Alegria e tristeza
Na realidade impossível.

Sou o nada que se dá,
Debaixo do imenso Céu,
No segredo do amanhã.


Nada, não se palpa;
E o sentir não se vê.
...Mas sentimos nós! Sinto eu!...




SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

34 Comentários:

Blogger Teresa Almeida disse...

Um devotado e intenso amor. Uma luz que se quer propagar, apesar das difíceis barreiras.
Beijinho, amigo.

20 de setembro de 2014 às 19:46  
Blogger Edumanes disse...

Sinto eu!... sentes tu...
penso que sente toda a gente
tem frio calor pretende
corpo de mulher nu!

Tudo o que está escrito,
terá sido com imaginação do poeta
não está nu, porque está vestido
diga se souber quando se abre a porta a Berta?

Bom fim de semana,
um abraço para ti amigo Sol da Estava.

Eduardo.

20 de setembro de 2014 às 22:19  
Blogger Célia Rangel disse...

Esse sentimento é único... Nada é mais forte, e ninguém o sente por nós!
Abraço.

20 de setembro de 2014 às 23:11  
Anonymous Helena disse...

Que belo é o sentir transbordando em versos que ultrapassam o corpo, o tempo, o próprio amor... Quão bela é esta emoção! Quão belo é o teu poema, nessa doçura de entrega, de doação e de se saber receptivo às emoções.
Sorrisos e estrelas no teu domingo e na tua semana,
Helena

20 de setembro de 2014 às 23:28  
Blogger lis disse...

'Sentimos nós' também ,Sol.
que possamos declamar essa esperança dos afetos que transbordam.
Muito bom!
abraços meus e boa semana

20 de setembro de 2014 às 23:36  
Blogger MARILENE disse...

Nesse sentir reside todo o resto. E o que se diz "nada" traduz muito. Abraço.

21 de setembro de 2014 às 06:41  
Blogger Olinda Melo disse...


O sentir vê-se no olhar, nos gestos, no ambiente que se cria
para o ser amado. E vê-se também neste lindo soneto pleno
de sentimento e sensibilidade.

Abraço, Sol da Esteva.

Olinda


21 de setembro de 2014 às 16:43  
Blogger Gracita disse...

Olá amigo Sol
Uma maravilhosa comunhão de amor onde os pares se doam com grande sentimento. Versos apurados com a magistralidade que lhe é peculiar meu amigo
Uma semana harmoniosa e abençoada
Beijos no coração

21 de setembro de 2014 às 20:40  
Blogger Janita disse...

Flamejante a imagem e o poema, Amigo SOL!

Sentes tu, sinto eu, sentimos todos, ou quase, o anseio de saciar o desejo de afagos nesta realidade triste.

Lindo e sentido, como sempre.

Bem-hajas por tudo o que de bom nos fazes sentir.

Beijinhos plenos de desejo que alcances a paz interior e que nunca te falte amor!

21 de setembro de 2014 às 23:32  
Blogger EU disse...

E quem assim sente é dono de uma sensibilidade que vai para lá das poéticas palavras.
Gostei imenso, Sol.
Meu beijo :)

22 de setembro de 2014 às 01:51  
Blogger LUCONI MARCIA MARIA disse...

Sol que amor é esse que tens dentro do peito que a alma extravasa em forma de tão belos quadros, imensamente lindo, o sentir realmente não se vê, mas muitas vezes é tão intenso que toma conta de nosso ser por completo e aí então se torna por demais apalpável, abraços Luconi

22 de setembro de 2014 às 04:34  
Blogger Dorli disse...

Oi Sol,
A vida é uma sequência de etapas e surpresas. Que saibamos comungar para tentarmos sobreviver.
Linda e triste poesia.
Beijos no coração
Lua Singular

22 de setembro de 2014 às 11:07  
Blogger Jossara Bes disse...

Querido Amigo,
A ternura, a doçura, se faz presente adornando palavras e sentires!
Bela poesia! Terna e doce!
Felicidades para você!

22 de setembro de 2014 às 13:35  
Blogger manuela barroso disse...

De volta querido Sol, com saudades dos sonetos e encontro a poética desgarrada de rimas, numa beleza fantástica.
Gosto dos seus sonetos. Mas...fora deles não sei onde a alma se sente mais dentro!
Terno abraço!

22 de setembro de 2014 às 14:05  
Blogger António Manuel - Tómanel disse...

Olá!
Amigo Sol da Esteva, debaixo do imenso céu, há um mundo incalculável cheio de imensas surpresa, só quero que, enquanto surpresas, elas sejam sempre boas, carinhosas e que, recompensem esta pequena passagem da vida.
Um abraço cá do Algarve.

22 de setembro de 2014 às 15:06  
Blogger Edumanes disse...

Não! não foi o meu mau pensamento,
caída da azinheira uma bolota
é que fez cair a mocinha
ela ficou satisfeita com a cambalhota
lá naquele descampado, soprava forte o vento
levantou-lhe o vestido para ela mostrar sua calcinha!

Obrigado pela visita e comentário poético, um abraço.

Eduardo.

22 de setembro de 2014 às 15:49  
Blogger Rosemildo Sales Furtado disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

22 de setembro de 2014 às 15:56  
Blogger Rosemildo Sales Furtado disse...

Mais uma vez, aqui passo para me deliciar com a leitura de mais um dos teus belos poemas, com ênfase para a estrofe abaixo:

A ti,
Que em mim afago mansamente,
Oferto o meu pensamento,
A ternura de mim,
Alegria e tristeza
Na realidade impossível.

22 de setembro de 2014 às 15:59  
Blogger Rosemildo Sales Furtado disse...

Amanhã tem bolo lá nos nossos espaços. Estás convidado para saboreá-lo.

Abraços,

Furtado.

22 de setembro de 2014 às 16:01  
Blogger Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema.
Mas eu já estou habituado à excelência das tuas palavras.
Tem uma boa semana, caro amigo Sol.
Abraço.

22 de setembro de 2014 às 18:23  
Blogger Mariangela disse...

Uma maravilhosa cumplicidade de amor em comunhão, rica em afetos. Lindíssimo amigo...
Beijos,
Mariangela

22 de setembro de 2014 às 18:38  
Blogger Evanir disse...

Amigo Sol

Um amor lindo dentro do peito doce seu sentir ,
imenso o seu querer.
E difícil um amor tão intenso e profundo
grande sentimento ..
Uma linda e abençoada semana.
Abraços..Evanir.

22 de setembro de 2014 às 21:46  
Blogger Brisa Petala disse...

OLÁ AMIGA
Que poema encantador. uma Primavera 2014 cheia de flores de Amor, Saúde, Alegrias e Paz, que colham muitas e belas flores.
Ana

23 de setembro de 2014 às 04:11  
Blogger © Piedade Araújo Sol disse...

um pouco diferente da forma habitual, o autor traz-nos hoje um poema cheio de ternura, amor e partilha.
um bom registo.
beijo
:)

23 de setembro de 2014 às 09:46  
Blogger Edumanes disse...

Boa tarde amigo Sol da Esteva,
uma carta, resposta, sempre merece
não importa como, desde que se receba
escrita, outra carta em resposta se escreve!

A seguir o meu comentário em resposta ao teu.

Isso serás tu a pensar!
os teus versos são bonitos
nos sonhos não posso voar
não sei onde ficaram perdidos!

Não me atrevo, tens razão,
mesmo leves não posso voar
tenho medo de cair no chão
e nunca mais me levantar!

Um abraço.
Eduardo.

23 de setembro de 2014 às 15:11  
Blogger Vanuza Pantaleão disse...

Sinto-me bem em vir aqui...
O sol batendo forte...
A tua poesia...
Bjs

24 de setembro de 2014 às 16:01  
Blogger Patrícia Pinna disse...

Bom dia, Sol. Querido, amigo. Você criou um poema espetacular!
Esses olhares vagos, tristes e indiferentes nos fazem sofrer e muito, querendo que em nós exista o poder da transformação e que esse quadro possamos reverter.
Este afago carinhoso que guardas enquanto não sabes o que esperar do futuro, é simplesmente o amor falando entre teus poros.
O importante de tudo é existir amor, e você mostrou isto.
Tenha um dia de muita paz.
Beijos na alma.

25 de setembro de 2014 às 11:36  
Blogger Maria Rodrigues disse...

Um sentir doce e pleno de poesia.
Maravilhoso, sempre!!!
Beijinhos
Maria

25 de setembro de 2014 às 20:41  
Blogger Paloma Viricio disse...

Lindo, muito sensível seu poema.
Adorei...Parabéns!
Beijos!
Monólogo de Julieta

26 de setembro de 2014 às 18:57  
Blogger Fá menor disse...

Há realidades tão carne viva que se sentem tanto na alma!

beijinhos, amigo!

26 de setembro de 2014 às 20:54  
Blogger Fá menor disse...

Há realidades tão carne viva que se sentem tanto na alma!

beijinhos, amigo!

26 de setembro de 2014 às 20:56  
Blogger Lilá(s) disse...

O sentir está também neste soneto, tão cheio de sensibilidade e sentimento!
Bjs

26 de setembro de 2014 às 22:44  
Blogger LUCONI MARCIA MARIA disse...

Sol queria ler-te um pouquinho, então reli esta obra prima e as outras três a seguir, teus poemas preenchem meu coração, bjos Luconi

27 de setembro de 2014 às 04:46  
Blogger Anne Lieri disse...

Um belo sentimento nessa sua intensa poesia! Adorei! bjs,

3 de outubro de 2014 às 16:33  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial