SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 4 de maio de 2013

Meu inferno





 


Sinto, o teu afastamento, pouco a pouco;
Diagnostico o teu Amor a agonizar.
Mas não quero, doutro modo, te pesar,
Porque eu sofro muito menos se for louco.

E não quero, ouve bem, que ainda digas,
Nessa tua liberdade de te dares,
(Como e quando tu sentires, ou te lembrares)
Que é ter Fé, deixar o Amor em mãos amigas.

Não terás um sentimento de pudor
Quando dizes que não dás o corpo inteiro
A um Amor que nós juramos ser eterno?

Não entraves tua Vida, ao supor
Que me deves algo mais que um Dinheiro,
P´ra comprar um bom lugar no meu inferno.




 

SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,

31 Comentários:

Blogger Célia Rangel disse...

Um amor assim é dispensável... é vida que segue... é fila que anda!
Abraço, Célia.

4 de maio de 2013 às 13:26  
Blogger António Manuel - Tómanel disse...

Olá! amigo Sol da Esteva...
Hoje, coube-me ser o primeiro de entre os primeiros a comentar, então aqui vai:
- Meu amigo, antes de mais, aqui vai o tal grande abraço cá deste meu Algarve.
A vida é composta de tudo, sem excepção, até do "Dinheiro" vindo do céu, porém, sem Ele (Dinheiro) é verdade que viveremos todos no inferno, mesmo sem o comprar.
Todavia, pelo sim, pelo não, que Ele não nos falte para irmos vivendo cá em baixo, mais ou menos, neste inferno que nos vai consumindo lentamente.

4 de maio de 2013 às 13:27  
Blogger Fred Caju disse...

Só agora me dei conta que você só aparece por aqui, também, aos sábados.

4 de maio de 2013 às 14:06  
Blogger Jossara Bes disse...

Oi Sol!

Poesia linda, como sempre!
Embora ao ler, sempre quero adivinhar as "entrelinhas"! Saber o sentido do seu sentir!
Coração de amigo!
Beijos, poeta!

4 de maio de 2013 às 18:46  
Blogger Anne Lieri disse...

Um amor que não acontece, morre aos pouquinhos, é muito triste!Mas o seu soneto é primoroso!bjs,

4 de maio de 2013 às 20:27  
Blogger Evanir Garcia disse...

Sol Meu Querido Amigo.
Eu peguei um poema seu esta postado no meu blog.
Um feliz Domingo amigo querido.
Beijos ,Evanir..

5 de maio de 2013 às 01:42  
Blogger Carolina disse...

Ola Sol, poeta sensivel e expressivo, suas palavras envolvem coracoes saudosos e o queixume deles se faz presente em toda a extensao desse lírico poema.
Feliz domingo, e o meu abraco com carinho.

5 de maio de 2013 às 03:24  
Blogger Simone MartinS2 disse...

"E, se em teu inferno,
deixares um espaço,
com certeza, quem te ama,
ira te acompanhar mesmo que,
sofrendo com a doce ilusão
de estar sempre em solidão...!"

Ora ou outra, passarei por aqui.
Abraços saudosos

5 de maio de 2013 às 15:16  
Blogger Rita disse...

Quando o amor morre aos pouco
é bem sensível e a expressão das
palavras são bonitas
Abraços com carinho
Rita!!!

5 de maio de 2013 às 17:41  
Blogger La Gata Coqueta disse...



La vida nos ha regalado
un nuevo día,
para que lo rellenemos
de momentos felices,
como lo pueden ser...
◄ ♣ ♣ ►

Compartir besos y abrazos
entre los amigos y conocidos.
◄ ♣ ♣ ►

Que tengas un genial domingo
que contigo estoy compartiendo
y un feliz día de la madre
que en España hoy celebramos!!
◄ ♣ ♣ ►

Un abrazo con ternura
y un beso con dulzura
para ti!!
◄ ♣ ♣ ►

Atte.
María Del Carmen


5 de maio de 2013 às 19:40  
Blogger Pérola disse...

Um afastamento sofrido.
Um grito na impotência do não poder obrigar a amar.

Resta o 'eu' e a sua análise...

Beijo

6 de maio de 2013 às 18:47  
Blogger Sandra Subtil disse...

Uma morte lenta, mas dolorosa!

Beijinhos

6 de maio de 2013 às 23:57  
Blogger Tunin disse...

Aquilo que não chegou a nascer, como terá sustentação? Deixa o barco andar.
Beleza o teu poema.
Abração.

7 de maio de 2013 às 02:19  
Blogger Dorli disse...

Oi Sol

Os humanos em geral estão vivendo em barcos à deriva, olhe a sua volta e veja quantos já afundaram.Se levarmos a vida muito a sério a morte é dolorida e lenta.
Um beijo
Lua Singular

7 de maio de 2013 às 02:54  
Blogger Rui - Olhar d'Ouro disse...

A vida também tem destes desabafos...

7 de maio de 2013 às 16:45  
Blogger Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Sol. Um soneto muito forte, impactante, de revolta, diria eu.
O amor tem de ter a tranquilidade livre que todos querem ter, a fim de que a vida exista na plenitude!
É melhor deixar seguir e partir para outro caminho ainda desconhecido!
Lindo, amigo.
Tenha uma semana abençoada!
Beijos na alma!

7 de maio de 2013 às 16:52  
Blogger São disse...

Custa muito quando se vê desmoronar à nossa frente algo que julgámos ser durável ...

Um solidário beijo, amigo meu

7 de maio de 2013 às 20:19  
Blogger Alfa & Ômega disse...

Olá amigo Sol, continuo recebendo seus e-mail que me dão muita alegria, mas não tenho mais visto este seu blog no painel! Andei meio sumidinha, mas gostaria de ver gsuas postagens! Oa seus e-mail e todos que recebo, não estão abrindo. Estou colocando-os numa pasta para ver se alguém descobre o que está acontecendo! Grande abraço!

8 de maio de 2013 às 01:07  
Anonymous Jota Effe Esse disse...

Que soneto mais porreta? Meu abraço.

8 de maio de 2013 às 11:34  
Blogger manuela barroso disse...

Querido amigo Sol
Nem que o dia dos teus sonetos seja mais sombrio, as tuas palavras são 0 sol que lhes dão os reflexos da alegria poética.
Mais palavras para quê?
Nasceste sonetista - poeta que nos embriagas com as tuas delicosas
rimas
E obrigada pelo carinho que me deixaste. Guardá-lo-ei no relicário da nossa amizade
Grande e fraterno abraço

8 de maio de 2013 às 15:39  
Blogger Mariangela disse...

Oi Sol, querido amigo, é bom estar aqui...
Mesmo lendo esse belíssimo e triste soneto.
Mas deixar algo tão lindo como o amor, e que pensávamos ser duradouro escapar pelos vãos dos dedos sem nada poder fazer, é muito triste e doloroso, mas não deixemos a chama da esperança se apagar.
Beijos,
Mariangela

8 de maio de 2013 às 18:33  
Blogger La Gata Coqueta disse...



Nunca estamos solos
cuando sabemos
que ocupamos
un lugar, en el
corazón del amigo.


Quisiera que la belleza
de esta tarde del miércoles,
conquistará una sonrisa
en las colinas del viento
para ti!!


Un abrazo de violetas
y un beso de poetas.

Atte.
María Del Carmen



8 de maio de 2013 às 18:48  
Anonymous irene alves disse...

Um soneto de desanimo. Isso às vezes acontece no Amor.
Bj.
Irene Alves

8 de maio de 2013 às 20:01  
Blogger Anne Lieri disse...

Sol,vim reler seus belíssimos sonetos e agradecer sua visita tb!bjs,

9 de maio de 2013 às 16:05  
Blogger ELAINE disse...

Querido amigo! A cada visita nos encantas através de tuas inspiradas palavras! Obrigada pelo carinho e pela presença sempre amiga! Abençoado final de semana! Feliz Dia das Mães a todas as mamães! Um domingo de muita luz! Que as bênçãos de Deus-Pai iluminem nossa caminhada! Grande, fraterno e carinhoso abraço!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

9 de maio de 2013 às 23:55  
Blogger Zilani Célia disse...

OI SOL!
MAIS UM BELO TEXTO.
QUANDO FINDA UM AMOR, ALGUÉM SEMPRE SAI FERIDO E QUEM FICA, SOFRE, O INFERNO...
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

10 de maio de 2013 às 01:37  
Blogger ONG ALERTA disse...

Muito interessante, tem pessoas que acham que o dinheiro é tudo....
Abraço Lisette.

10 de maio de 2013 às 02:04  
Blogger Cristina disse...

Siempre es muy bello leerte, cada letra lleva el sello de tu corazón de poeta.
Te dejo un fuerte abrazo, bella noche!

10 de maio de 2013 às 04:20  
Blogger ᄊム尺goん disse...

um soneto lindo , faz o coração diluir-se.

beijo

10 de maio de 2013 às 16:49  
Blogger vieira calado disse...

Estas coisas do amor...
Mas o soneto ficou como mandam as regras!
Um forte abraço!

11 de maio de 2013 às 00:12  
Blogger Teresa Almeida disse...

É sempre bom ter contacto com as tuas palavras, poeticamente, bem orquestradas. É o amor a arrepelar-te o peito.

Deixo-te o meu abraço e a esperança num sol radioso.

17 de maio de 2013 às 07:41  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial