SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 8 de agosto de 2015

Mão cheia de nada







Queria sofrer, para morrer,
Sem ser moribundo de Amor.

Mas antes,
Bem antes,
Por última vontade,
Queria conhecer
A verdade
Do Amor primeiro,
Como o sonhei e foi correspondido;
Jamais arrependido...

Se não o vivi inteiramente
Com a intensidade que a vida pode dar
Para além da morte,
Certamente,
Poderei vivê-lo,
Como se houvesse de voltar.

...E continuo a sofrer sem morrer!

Vou-me enganando
A toda a hora,
Procurando que a amizade seja Amor.

Embora tentador,
Muitas vezes, a Alma amarfanhada
Pensa que o meu pobre Ser
Se tem alevantado no valor e nas diferenças,
Que o querer de cada um
É inatingível nas suas incoerências.

Antes morrer, que sofrer o Amor
Na sua total ausência
Como uma mão cheia de nada.



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

23 Comentários:

Blogger MARILENE disse...

A ausência do amor parece nos colocar no vazio, realmente. O amor primeiro, por você cantado e desejado, mesmo sabedor de que já se foi, será sempre recordado com beleza. Seus versos tristes primam pela riqueza de sentimentos. Abraço.

8 de agosto de 2015 às 21:39  
Blogger Evanir disse...

Hoje venho desejar um feliz final de semana.
E que eu possa estar visitando por muito tempo.
A vida continua por maior que seja nossa luta
procuro preservar amigos que cativei ao longo da minha existência.
Com alguns anos conheci pessoas inesquecivel como você ,
e terá sempre tenho carinho e grande respeito por tudo que eu cativo.
Um Domingo feliz e abençoado.
Beijos no coração.
Evanir..
Amigo Sol lindo mais de muita tristeza
seu poema meu grande amigo.

9 de agosto de 2015 às 00:15  
Blogger Dorli Ramos disse...

Oi Sol,
Não é só a mão que é cheia de nada, o corpo inteiro é cheio de um nada que vai desfalecendo até mergulharmos n'outro mundo com as mão cheias de tudo.
Beijos
Dorli Ramos

9 de agosto de 2015 às 00:37  
Blogger António Manuel - Tómanel disse...

Para que tudo isto tivesse acontecido, teve que haver inicialmente algo que marcasse essa vida que tanto te faz sofrer!
Se uma mão cheia de nada vale aquilo que sentiste ao escrever este delicioso poema, então, o amor que gira dentro dos corações de quem ama, seja a Bondade de Deus.
Um abraço cá do Algarve

9 de agosto de 2015 às 14:49  
Blogger Gracita disse...

Uma mão cheia de nada é a dor lancinante da ausência de um grande amor
Viver sem amor é uma penúria constante que corrói o coração
Lindo poema mas de uma tristeza comovente caro amigo
Uma linda e abençoada semana
Beijos no coração

9 de agosto de 2015 às 21:20  
Anonymous Arte & Emoções disse...

Se não o vivi inteiramente
Com a intensidade que a vida pode dar
Para além da morte,
Certamente,
Poderei vivê-lo,
Como se houvesse de voltar.

A esperança é a última que morre. É só acreditar e esperar os acontecimentos. Lindo poema!

Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado.

9 de agosto de 2015 às 22:09  
Blogger LUCONI MARCIA MARIA disse...

Lindo, nostálgico e triste, ah o amor, como o ser humano se engana quando idealiza um e o persegue, este sim sofre.até um dia descobrir que muitas formas de amar existe, que muitos amores temos, e que se o amor de um homem e mulher não acontecer, existem tantos amores que nos preenche o coração e a alma, aliás amar é querer ver a pessoa amada feliz independente se junto de nós ou não, beijos Luconi

10 de agosto de 2015 às 03:43  
Blogger Vera Lúcia disse...

Olá Sol,

Ninguém merece passar por este mundo sem conhecer as delícias e as dores do amor. Creio que a ausência de um amor intenso e verdadeiro é mais doída do que a perda de um amor.
Lindo!

Obrigada pelos versos.
Volto em setembro, se Deus quiser!

Abraço.

10 de agosto de 2015 às 03:48  
Blogger Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, não é possível viver o amor sem dor, amor e dor combinam na perfeição.
Sempre com lindos poemas que fazem refletir.
AG

10 de agosto de 2015 às 12:13  
Blogger Célia Rangel disse...

Um poema que deixa "o coração cheio de nada"... recordações fugazes apenas... É um amor para ser esquecido.
Abraço.

10 de agosto de 2015 às 18:45  
Blogger Manuel disse...

Este poema foi, decerto,escrito num momento de especial inspiração.
Sem amor a vida é feita de nada.
Magnifico como sempre.
Uu abraço

10 de agosto de 2015 às 21:25  
Blogger Mar Arável disse...

Não há morte nem princípio

10 de agosto de 2015 às 22:02  
Blogger Mariangela do Lago Vieira disse...

Oi Sol!
O amor é isto mesmo,
Alegria e tristeza.
Mas a maior tristeza, é não recordar as alegrias que superam as dores.
E que não é o seu caso...
Então se alegre, meu querido amigo!
Beijos,
Mariangela

11 de agosto de 2015 às 13:16  
Blogger Rita Sperchi disse...

E que viva o amor né Sol lindas
palavras e cheia de inspiração elogios
mais uma vez abraços de sempre
Rita

11 de agosto de 2015 às 18:25  
Blogger CÉU disse...

O seu poema é a antítese, em si mesma. Amar, sofrer, morrer, viver esse amor, mesmo k na mão nada restasse.
Boa semana. Beijos.

11 de agosto de 2015 às 18:27  
Blogger Carmem Grinheiro disse...

Olá, Sol
Belíssimo poema de des-amor.
Mas se belo se torna na poesia, na vida não é desejado tão grande desalento por essa "total ausência e uma mão cheia de nada". Não. Se o sentimento não vale a pena, viver ainda valerá. Desistir da vida é desistir de se amar a si mesmo: amor primeiro.
abç amg

11 de agosto de 2015 às 21:44  
Blogger Magia da Inês disse...

ჱ˚° ·.
"Com a mão cheia de nada"... imagem muito forte.
Você nos encanta com cada verso que concebe.

Tenha um ótimo dia!
Beijinhos.
╰✿づه° ·.

12 de agosto de 2015 às 15:10  
Blogger © Piedade Araújo Sol disse...

um poema de amor e desamor com muita nostalgia...
beijo
:(

12 de agosto de 2015 às 16:27  
Blogger lis disse...

A amizade pode ser amor Sol mesmo silenciosamente...
grande abraço

13 de agosto de 2015 às 00:13  
Blogger Jossara Bes disse...

Oi Sol!
Lindo demais!
O amor criando ilusões, alimentando o sonhar!
Beijo carinhoso!

13 de agosto de 2015 às 10:56  
Blogger afetocolorido.blogspot.com.br disse...

Uma dorida história de amor não correspondido... Bom é que és consciente que engana a si próprio, um bom motivo para esquecer essa nostalgia que faz o coração sofrer.

Boa tarde.
Abçs!

13 de agosto de 2015 às 16:52  
Blogger Labirinto de Emoções disse...

Olá Sol
Uma mão cheia de nada com um coração cheio de amor, eis a conclusão a que chego com o seu poema, lindo como todos os que escreve!
Um beijinho e bom fim de semana
Teresa

13 de agosto de 2015 às 20:46  
Blogger Odete Ferreira disse...

Nada é mais penoso do que não ter a coisa amada perto de si...
Tocante.
Bjo, Sol

22 de agosto de 2015 às 16:58  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial