SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 4 de outubro de 2014

Com Amor





Dentro da minha Armadura de aço,
A carne vive,
O sangue corre,
O coração palpita...
Lá dentro,
Existe Vida.
...Fora,
Apenas aço refulgente,
Duro,
Frio...

A Armadura foi criada para a luta,
Escondendo os medos da disputa,
Mostrando coragem, que não tenho,
No desempenho
Dos riscos da peleja
Com o peito descoberto...
Segredos!...

Não há quem veja?
Afinal,
Possuir esta couraça
É sentir a trapaça
Que cria mitos de Herói!

Eu sou cobarde,
De raça,
E sinto, em minha desgraça,
O sofrer, na escuridão
Que envolve o meu coração,
E o muito que por lá dói.

...Com Amor, hei-de vencer!



SOL da Esteva

Etiquetas: , ,

27 Comentários:

Blogger Nilson Barcelli disse...

O amor ajuda em muitas coisas.
Excelente poema, gostei imenso.
Tem um bom fim de semana, caro amigo Sol.
Abraço.

4 de outubro de 2014 às 14:18  
Blogger António Manuel - Tómanel disse...

Pois é Sol da Esteva...
Por detrás de uma armadura de aço há sempre um coração, ele pode ser frio! Será? Não acredito pq existe algo que só tu, como poeta, podes explicar.
Um abraço cá do Algarve

4 de outubro de 2014 às 15:53  
Blogger Mariangela disse...

Um coração sempre é carente de amor e afeto... mesmo que o exterior parece o contrário. Com amorntudo é tão mais fácil!
Sempre lindo teus versos Sol.
Beijos!!
Mariangela

4 de outubro de 2014 às 16:49  
Blogger Célia Rangel disse...

Torna-se necessário deixarmo-nos contaminar pelo som do amor que invade nosso coração para quebrarmos a possível frieza de nossos sentimentos! Emoções nos movem sempre para a alegria ou a tristeza... Depende de nossa escolha.
Abraço.

4 de outubro de 2014 às 18:58  
Blogger Rosemildo Sales Furtado disse...

Com certeza amigo! O amor ainda é um dos maiores fomentos da nossa existência.
Belo e profundo o teu poema.

Abraços o um excelente domingo para ti e para os teus.

Furtado.

4 de outubro de 2014 às 21:39  
Blogger Janita disse...

Só o Amor tem a força para vencer todas as barreiras, SOL.
Por vezes, revestimo-nos de armaduras, para esconder as nossas fragilidades e receios. Não, para parecermos heróis.
Acho que essa é uma atitude comum a todos os seres humanos, para se protegerem da dor e do sofrimento!

Muito belo o teu poema, meu Amigo.

Beijinhos.

Janita

4 de outubro de 2014 às 23:57  
Anonymous Anónimo disse...

Lindo, meu amigo!

Gostei muito!
Há muitos "cobardes desses"couraçados de aço...
OH se há!

Força, e...quebre o aço!

Parabéns.

Um beijo

F.M.



4 de outubro de 2014 às 23:59  
Blogger Dorli disse...

Oi Sol
Uma poesia verdadeira. São, na minha opinião dois tipos de pessoas que se escondem dentro das carcaças: ops covardes e os medrosos.
Não é fácil viver e quanto mais difícil nos é, mas vivemos.
Bom domingo
Beijos no coração
Lua Singular

5 de outubro de 2014 às 12:18  
Blogger ॐ Shirley ॐ disse...

Todos temos essa armadura, Sol, assim é preciso.
Gostei muito dos seus versos.
Beijo

5 de outubro de 2014 às 13:02  
Blogger São disse...

Não duvido que venças, podes crer.

Armadura? Acho que toda a gente acaba por ter uma...

Abraço grande :)

5 de outubro de 2014 às 19:59  
Blogger rosa-branca disse...

Olá Sol, só o amor pode vencer tantos obstáculos da vida. Acho que todos nós temos armadura senão éramos trespassados pelo sentir. Maravilhoso poema que adorei. Beijos com carinho

6 de outubro de 2014 às 00:07  
Blogger Anne Lieri disse...

Muito linda e comovente sua poesia,Sol! E hoje postei uma sua em meu blog tb:

http://recantodosautores.blogspot.com.br/2014/10/meditando.html

bjs e boa semana,

6 de outubro de 2014 às 16:34  
Blogger Silenciosamente ouvindo... disse...

Gostei muito deste seu poema de esperança.
Um abraço
Irene Alves

6 de outubro de 2014 às 16:39  
Blogger Evanir disse...

Uma linda e comovente poesia amigo Sol.
Seu coração é revestida de amor e paz.
Uma linda semana beijos.
Evanir.

6 de outubro de 2014 às 20:53  
Blogger Zilani Célia disse...

OI SOL!
LINDO DEMAIS TEU POEMA.
SÓ OS CORAJOSOS SERIAM TÃO SINCEROS!
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

7 de outubro de 2014 às 03:20  
Blogger tecas disse...

Magnifico poema! Comovente, corajoso e sincero. Só o amor vence...mesmo que por vezes amor signifique dor.
Saudações poéticas e obrigada pela visita ao meu blog.

7 de outubro de 2014 às 17:31  
Blogger Tunin disse...

Em tudo o que se coloca amor, o fim é a vitória, o reconhecimento.O teu poema é destinado aos corajosos.
Abração.

7 de outubro de 2014 às 21:26  
Blogger MARILENE disse...

Essa armadura não é máscara, mas autoproteção. E a maioria de nós a usa, na luta que a vida nos impõe. Certo é, porém, que o amor desconhece barreiras e o sentir não teme coberturas, ainda que de aço. Abraço.

8 de outubro de 2014 às 05:16  
Anonymous Helena disse...

As barreiras que colocamos entre nós e os outros são por vezes de pura proteção. As couraças que dividem os sentimentos (bons e ruins) que sabemos abrigados no nosso interior, servem também muitas vezes para camuflar emoções que não queremos expor com receio de nos magoar. As máscaras colocadas no rosto para enfrentar o dia a dia onde nos deparamos com pessoas que não querem conhecer a nossa verdadeira face também servem a esse propósito.
Enfim, amigo, muitas vezes é essa sociedade hipócrita que nos obriga a ser quem não somos, a ter o que não temos.
A solução é não usar de artifício nenhum e sair de cara limpa para as atividades diárias, sem medo de mostrar o que somos, o que temos, sem temer inveja e sem receio de desagradar a ninguém. Ser, no sentido mais verdadeiro da palavra.
Couraças para não sofrer mais por amor, por se doar... Não vale a pena! Há que se viver os sentimentos e as emoções do amor, e se doídos forem, que sirvam para preparar o caminho para o sentimento maior, a companhia melhor, que certamente um dia há de chegar.
Eximir-se de viver aquilo que somos... NUNCA!
Amei o teu poema, amigo querido! Muito sofrido, até te entendo, acredite, pois muitas vezes tive vontade de agir assim, escudando-me das emoções. Hoje eu sei que a vida é para ser vivida, e se tivermos que dar a cara a tapa, vamos dar, sem nos esconder de nada.
Desculpe por ter viajado nos teus versos, mas foi a forma que encontrei de falar da minha admiração pelo belo poema saído da tua alma.
Que te cheguem sorrisos, dos verdadeiros, sinceros, afetuosos. Que te iluminem as estrelas mais radiantes, para aclarar o teu interior. Que te chegue meu carinho de além mar, para dizer o quanto te admiro e prezo.
Helena

8 de outubro de 2014 às 13:06  
Anonymous Anónimo disse...

Maravilhoso! e´preciso ser se grande para conceguir transformar em escrita,de uma forma transcendente,e bela,sentimentos que doem!...

8 de outubro de 2014 às 15:10  
Blogger Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá amigo! Passando para desejar uma ótima quinta-feira com muita saúde e paz para ti e para os teus.

Abraços,

Furtado.

9 de outubro de 2014 às 01:13  
Blogger Jossara Bes disse...

Querido Amigo!
A força que temos, por vezes desconhecemos!
Muito embora dentro de nos aconchega-se o coração da criança, por fora vestimos
a armadura e vamos a luta, do jeito que tem que ser!
Amei a poesia, como sempre!
Felicidades querido Poeta!

9 de outubro de 2014 às 13:32  
Blogger Beatriz Bragança disse...

Amigo
Tenha a certeza de que vencerá!
A couraça é uma forma de nos protegermos.Cobardia? Não acho.Antes a necessidade de um aconchego.
Parabéns pelo seu poema.
Um beijinho
Beatriz

9 de outubro de 2014 às 16:34  
Blogger Teresa Almeida disse...

Esta tocante introspeção só pode levar a romper carapaças e a procurar o melhor caminho.
Parabéns por esta consciência da nossa fragilidade e consequente partilha.
Invulgar!
Beijo.

10 de outubro de 2014 às 00:27  
Blogger ONG ALERTA disse...

Por amor vale tudo...
Abraço Lisette.

10 de outubro de 2014 às 02:22  
Blogger Fá menor disse...

Por dentro da couraça há um coração lutador.

Bjins

10 de outubro de 2014 às 18:59  
Blogger Parapeito disse...

Adorei este Grito!
Não há guerra que ganhe ao amor.
– Tu tinhas razão. Não sei se a vida é maior do que a morte, mas o amor foi maior do que ambas." Tristão e Isolda.
brisas doces **

5 de novembro de 2014 às 10:00  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial