SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 5 de outubro de 2019

A Bem da Nação

 


 
Deveria estar ao rubro
O tempo, a data e a gente.
Quem quer, até é valente
No pobre cinco de Outubro.

Mas, celebrar o passado
Não tem seu par nestes dias.
Faltam ideias ou guias
E o Povo está desolado.

Promessas (coisa risível)
Nos actos que o não são.
Falta, á Justiça, o bastão,

Um Pelourinho visível,
Um bom chicote na mão,
Tudo "a Bem da Nação".



SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,

16 Comentários:

Anonymous alfacinha disse...

Na Bélgica , a casa de Saxe-Coburgo-Gota ainda ocupa o trono
abraços

5 de outubro de 2019 às 09:29  
Blogger Janita disse...

Gostei, SOL, muito!
Se me permites:

E o castigo merecido
No Pelourinho receber
Seria penalizar quem promete
Ao Povo fazer justiça
E só ao próprio umbigo se remete

Beijos.

5 de outubro de 2019 às 11:11  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Um poema excelente!!

-
Eterna saudade... eterna verdade ... .[Poetizando e Encantando]
Beijo e um excelente fim de semana.

5 de outubro de 2019 às 15:52  
Blogger Mum disse...

Belo Poema para o dia de hoje....

5 de outubro de 2019 às 16:54  
Blogger Hada de las Rosas disse...

Feliz Dia, Sol, aunque atrasada llegué. Espero que nossos filhos, nossos netos possam viver em um mundo melhor. Um mundo com politica seria, responsavel e honesta.
Saludos!

6 de outubro de 2019 às 05:10  
Blogger Larissa Santos disse...

Boa tarde!
Obrigada pelo poema sublime:))

Hoje:- Sinto que nas nuvens estão ausentes |Poetizando e Encantando|

Bjos
Votos dum óptimo Domingo.

6 de outubro de 2019 às 13:43  
Blogger La Gata Coqueta disse...

Mejor no comentar... al final siempre hacen lo que quieren y no a gusto del ciudadano.
Aquí nunca he visto en los años que tengo tantos meses sin presidencia y además no elegida...

Bueno, hablar de ello tiempo perdido.

Un abrazo amigo y un feliz día de descanso!

Mari.

6 de outubro de 2019 às 17:05  
Blogger CÉU disse...

Pois é, o 5 de outubro já teve mto mais importância e relevo do que tem, atualmente, mas convenhamos que aconteceu em 1910, portanto, já passou mto tempo. Daqui por uns 50 anos, será o abril, 25. Enfim, é História e sempre assim aconteceu.

"A Bem da Nação" fez-se, faz-se e continuará a fazer-se mtos disparates, pke as pessoas são imperfeitas, gananciosas e qto mais avançarmos no tempo, pior será.

Gostei do seu soneto, que está mto crítico e demonstra bem a crueldade humana.

Beijos e boa semana.

6 de outubro de 2019 às 21:58  
Blogger madrugadas disse...

Palavras certas para estas datas. Já lá vai tempo que não era possível celebrar este dia. Havia cargas policiais e bastonadas porque o Estado Novo era avesso a estas palhaçadas.

7 de outubro de 2019 às 01:06  
Blogger Sinval Santos da Silveira disse...

Poeta, Sol da Esteva !
Teu Poema é um grito de dor, temperado
com o néctar da esperança.
Meu Brasil já está temperando.
Que Deus nos ajude !
Uma feliz semana e um fraternal abraço,
aqui do Brasil !
Sinval.

7 de outubro de 2019 às 19:02  
Blogger manuela barroso disse...

A desolação persiste, o antes já não existe na memória que por vezes parece tentarem apagar. Mas apesar da aparente ausência de tudo, restará sempre um pelourinho para acordar .
Além de belo poema, muito a propósito, querido amigo!
Abraço

7 de outubro de 2019 às 21:32  
Blogger Júlia Evelyn disse...


minha parte preferida:
"Mas, celebrar o passado
Não tem seu par nestes dias."

http://juliamodelodemodelo.blogspot.com

8 de outubro de 2019 às 22:30  
Blogger Olinda Melo disse...

Olá, Sol

A memória colectiva é algo que deve ser acarinhada e cuja manutenção deve ser garantida. Um Povo sem História caminha sem rumo. Várias são
as datas de que nos devemos orgulhar e o 5 de Outubro é uma delas, realmente, com a Implantação da República.

Um poema muito oportuno, caro amigo.

Abraço

Olinda

9 de outubro de 2019 às 17:15  
Blogger Jaime Portela disse...

Brilhante.
Este soneto é do melhor que já escreveste.
Caro amigo, tem um bom fim de semana.
Abraço.

11 de outubro de 2019 às 12:23  
Blogger Mariazita disse...

Extraordinário soneto!
Incisivo, real, sem "papas" na língua.
O Homem tem a memória curta... e reserva "os foguetes" para trivialidades.
Assim vai o mundo!

Desejo bom Fim-de-semana
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

11 de outubro de 2019 às 17:34  
Blogger Fá menor disse...

Como tens razão!
Mas agora até a História querem reescrever, mudar, refazer.
Até nova disciplina de História querem leccionar, dando novas versões... Pobre povo! Povo pobre que vai no engodo.

Beijinhos, amigo!
Continua sempre com força a poetar.

11 de outubro de 2019 às 20:51  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial