SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ABRAÇOS,------SOL da Esteva

sábado, 17 de outubro de 2015

Sonho o meu sossego



 


Se um dia desvendasse a minha vida,
Não sei como seria, nem lembrava…
Alguém que não soubesse que eu amava,
Diria que a minha Alma era perdida.

Mas eu te sei sentir, minha querida.
Recebo tanto Amor, que sobejava
Para fazer feliz e se soltava,
No fogo que, em nós, tem sua guarida.

Não posso, o meu nome, ter na história,
Por ser poeta, apenas, no Amor.
Eu, antes, no silêncio da memória,

Já sonho o meu sossego repousante,
Que um dia há-de ter o seu alvor,
Na velhice que chega a cada instante.



SOL da Esteva

Etiquetas: , , ,

16 Comentários:

Blogger Gracita disse...

Olá amigo Sol
Quem na vida deixou a sua marca terá um sossego repousante pois de alma leve e coração feliz o poeta registrou com maestria a sua passagem em soberbos versos de amor. Que poema intenso!!!! E muito belo meu amigo. Parabéns
Um ótimo final de semana
Beijos no coração

17 de outubro de 2015 às 15:58  
Blogger Labirinto de Emoções disse...

Olá Sol
Embora a velhice chegue a todos nós e a cada instante, é necessario não perdermos a alma de meninos/as e a poesia nos acompanhar sempre..:-)))
Um beijinho de Bom Fim de Semana
Teresa

17 de outubro de 2015 às 18:18  
Blogger Célia Rangel disse...

Nos ciclos da vida temos paixões a cultivar e outras a esquecer... Depende da medida exata do que queremos...
Abraço.

18 de outubro de 2015 às 12:21  
Blogger Jaime Portela disse...

Não sei porquê, já que o soneto é um género poético extremamente difícil, mas eu acho os seus sonetos muito melhores que a restante poesia que faz. Haverá excepções, é certo, mas nunca li um soneto seu que não fosse excelente. E este não foge à regra.
Caro amigo, tenha uma boa semana.
Abraço.

19 de outubro de 2015 às 12:20  
Anonymous Arte & Emoçoes disse...

Olá Sol! Eis que mais uma vez, aqui me faço presente para apreciar mais um dos teus belos e profundos sonetos. Mesmo que a velhice chegue, nunca desaparecerá a criança que existe em nós.

Abraços,

Furtado.

19 de outubro de 2015 às 20:17  
Blogger Mariangela do Lago Vieira disse...

Oi Sol, querido amigo,certamente será muito feliz no descanso mais que merecido, por todo amor doado e recebido, e pelo maravilhoso dom divino que encanta!
Amei teu poema!
Beijos,
Mariangela

20 de outubro de 2015 às 16:08  
Blogger Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Sublime poema! Grato pela partilha!
Abraço
Rui

20 de outubro de 2015 às 16:13  
Blogger Vera Lúcia disse...

Olá Sol,

Poetas no Amor serão sempre inesquecíveis pela sensibilidade e intensidade com que amam.
Belíssimo soneto!
Linda e repousante imagem.

Abraço.

20 de outubro de 2015 às 21:18  
Blogger Mário Margaride disse...

Belíssimo soneto, amigo Sol! É essa a essência da poesia e dos poetas.

Grato pela partilha.

Abraço!

22 de outubro de 2015 às 02:41  
Blogger CÉU disse...

Um bonito soneto de desassossego e sossego. É a lei normal da vida, Sol! Beijos.

22 de outubro de 2015 às 14:08  
Blogger Maria Rodrigues disse...

Um sonho de amor e saudade.
Belíssimo soneto.
Beijinhos
Maria

22 de outubro de 2015 às 21:21  
Blogger São disse...

Reli várias vezes...

Bom fim de semana, amigo

23 de outubro de 2015 às 11:55  
Blogger Manuel disse...

É verdade que chega a cada instante, Eu que o diga.
Muito real este soneto.
Gostei muito especialmente pelo deambular pelo caminho da vida.
Um abraço

23 de outubro de 2015 às 13:24  
Blogger MARILENE disse...

Nunca estará perdida a alma de quem ama, sonha, guarda memórias e sabe atravessar e entender o tempo. Encantadores versos! Abraço.

26 de outubro de 2015 às 15:09  
Blogger Odete Ferreira disse...

Um belíssimo soneto não só pelo conteúdo mas, e sobretudo, pela melodiosa estrutura a lembrar-me os poetas clássicos.
Bjo, amigo

23 de novembro de 2015 às 01:36  
Blogger POESIAS SENSUAIS E CONTOS disse...

Lindos versos a respeito da vida. Parabéns! Uma noite isnpiradora

25 de novembro de 2015 às 00:03  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial